MEGA 94


size_960_16_9_chorao7

As dívidas deixadas por Chorão, vocalista do Charlie Brown Jr., despertaram uma longa briga judicial entre os familiares e um empresário que teria contratado shows da banda. De acordo com a revista “Veja São Paulo”, em outubro de 2012 o músico assinou um contrato com a Promocom Eventos para 12 shows. Além do adiantamento recebido (R$ 300 mil), Chorão recebeu mais R$ 75 mil equivalentes a três shows que chegou a fazer. Caso cumprisse o contrato por completo, ao fim teria recebido R$ 600 mil. Acontece que cinco meses após a assinatura do contrato, Chorão morreu devido a uma overdose.

“No final de 2012, a gente fez um contrato, se não me engano, eram de 12, 13 shows. Estávamos na verdade renovando um negócio que fizemos naquele ano para acontecer em 2013. Por conta disso, adiante 50% do valor de todos esses shows. Se não me engano, foram realizados uma ou duas apresentações e o Chorão chegou a falecer”, disse o empresário Mac Solek. Entretanto, em 2015 o proprietário da empresa de eventos entrou na Justiça alegando que o contrato não previa acordo em caso de morte. Neste caso, a família do cantor deveria devolver o montante recebido antecipadamente.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, Alexandre teria sido notificado nove meses depois da morte de seu pai sob a alegação de que Chorão “faleceu sem atender à totalidade das obrigações assumidas” e “notoriamente, tais obrigações não poderão [mais] ser atendidas”. A decisão de buscar seus direitos na Justiça foi feita apenas três anos depois devido ao fato da família de Chorão não tê-lo procurado, como alegou Solek.

“Quando ele morreu, foi uma surpresa para todo mundo, aquilo me chocou demais pela forma como tudo aconteceu. E, em respeito ao luto da família, na ocasião, eu resolvi não entrar com nenhum tipo de ação naquele momento. Eu jamais iria pegar o telefone e dizer: ‘e aí, como vai ficar meu dinheiro?’. Eu vivo de eventos, de shows e preciso ter capital de giro, e meu capital de giro que estava empregado para fazer uma turnê do Charlie Brown Jr. não ia acontecer. E o mínimo que eu esperava era que a família me procurasse para me devolver algum dinheiro.”

O valor da ação está em R$ 550 mil. Apesar de haver uma decisão favorável ao empresário, a família segue recorrendo da sentença. Em entrevista ao site R7, a advogada Thaís Lima, primeira mulher de Chorão e mãe de Alexandre Lima Abrão alegou que a Promocom veio com uma cobrança sem prova de pagamento. “Eles perderam uma primeira ação. Entraram com outra novamente, e nesse caso, parece que a juíza não apreciou a contestação nesse sentido, porque foi alegado a mesma coisa do que na primeira, porque não houve prova de que houve pagamento. Não é que a família não quer pagar, a questão é que não tem recibo, não tem contrato, não tem nada.”

Já Reginaldo Ferreira Lima, advogado de Alexandre e sogro de Chorão, afirma que a história é “loucura,” pois “naturalmente, o Chorão não tinha como fazer os shows.” Para ele, por não ser “ato ilícito,” não deve haver retaliações.



Fonte: Postado em: 05-12-2019


size_960_16_9_chorao7

As dívidas deixadas por Chorão, vocalista do Charlie Brown Jr., despertaram uma longa briga judicial entre os familiares e um empresário que teria contratado shows da banda. De acordo com a revista “Veja São Paulo”, em outubro de 2012 o músico assinou um contrato com a Promocom Eventos para 12 shows. Além do adiantamento recebido (R$ 300 mil), Chorão recebeu mais R$ 75 mil equivalentes a três shows que chegou a fazer. Caso cumprisse o contrato por completo, ao fim teria recebido R$ 600 mil. Acontece que cinco meses após a assinatura do contrato, Chorão morreu devido a uma overdose.

“No final de 2012, a gente fez um contrato, se não me engano, eram de 12, 13 shows. Estávamos na verdade renovando um negócio que fizemos naquele ano para acontecer em 2013. Por conta disso, adiante 50% do valor de todos esses shows. Se não me engano, foram realizados uma ou duas apresentações e o Chorão chegou a falecer”, disse o empresário Mac Solek. Entretanto, em 2015 o proprietário da empresa de eventos entrou na Justiça alegando que o contrato não previa acordo em caso de morte. Neste caso, a família do cantor deveria devolver o montante recebido antecipadamente.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, Alexandre teria sido notificado nove meses depois da morte de seu pai sob a alegação de que Chorão “faleceu sem atender à totalidade das obrigações assumidas” e “notoriamente, tais obrigações não poderão [mais] ser atendidas”. A decisão de buscar seus direitos na Justiça foi feita apenas três anos depois devido ao fato da família de Chorão não tê-lo procurado, como alegou Solek.

“Quando ele morreu, foi uma surpresa para todo mundo, aquilo me chocou demais pela forma como tudo aconteceu. E, em respeito ao luto da família, na ocasião, eu resolvi não entrar com nenhum tipo de ação naquele momento. Eu jamais iria pegar o telefone e dizer: ‘e aí, como vai ficar meu dinheiro?’. Eu vivo de eventos, de shows e preciso ter capital de giro, e meu capital de giro que estava empregado para fazer uma turnê do Charlie Brown Jr. não ia acontecer. E o mínimo que eu esperava era que a família me procurasse para me devolver algum dinheiro.”

O valor da ação está em R$ 550 mil. Apesar de haver uma decisão favorável ao empresário, a família segue recorrendo da sentença. Em entrevista ao site R7, a advogada Thaís Lima, primeira mulher de Chorão e mãe de Alexandre Lima Abrão alegou que a Promocom veio com uma cobrança sem prova de pagamento. “Eles perderam uma primeira ação. Entraram com outra novamente, e nesse caso, parece que a juíza não apreciou a contestação nesse sentido, porque foi alegado a mesma coisa do que na primeira, porque não houve prova de que houve pagamento. Não é que a família não quer pagar, a questão é que não tem recibo, não tem contrato, não tem nada.”

Já Reginaldo Ferreira Lima, advogado de Alexandre e sogro de Chorão, afirma que a história é “loucura,” pois “naturalmente, o Chorão não tinha como fazer os shows.” Para ele, por não ser “ato ilícito,” não deve haver retaliações.



Fonte: Postado em: 05-12-2019
MEGA POINT
Av. Afonso Pena 5154
Campo Grande MS
Whatsapp - 99143-9494

3042-9494
Mega94 (c)- Todos os direitos reservados.