MEGA 94


25152770

Luan Santana revelou o nome de seu próximo DVD: “Viva” será gravado no dia 19 de maio no Parque de Exposições, em Salvador, e enaltecerá a forma como a tecnologia interfere nossas vidas. “Vivemos tempos difíceis e os momentos simples não valem de nada, se não publicar. O ego na hora se infla e um elogio idiota já é o combustível para se deslumbrar. Quantas curtidas merecem o primeiro passo de um filho? Almoço em família domingo, quando vamos dar valor pra isso? E olha que ironia: ficar sem amor tudo bem, se o celular tem bateria. Saudade virou coisa antiga nessa proximidade fictícia. Eu tô com saudade de um abraço que não se digita”, diz a letra desta música inédita que sintetiza a proposta que o cantor deseja atingir neste projeto.

“Com este DVD quero que a música contribua para esta proximidade real. E não a fictícia. Que todos possam viver os momentos, curtir. O que mais temos visto em variados ambientes são as pessoas com celulares nas mãos e não sabendo explorar o bem que a tecnologia nos traz. Vamos fazer uma analogia à época da navegação: eles usaram as suas ferramentas para conquistar o mundo e contribuir para a convivência de todos os povos. Queremos este alerta: naveguem, convivam e, depois, compartilhem para contagiar a todos”, afirma Luan.

Para este projeto, Luan e sua equipe, assim como a gravadora Som Livre e a Polar Filmes, estão há mais de seis meses no processo que propõe ao público resgatar o afeto perdido (equivocadamente) para a tecnologia. E é justamente a tecnologia que será enaltecida neste contexto. Sendo assim, a cenografia valoriza o gigantismo high-tech, com um palco de 100 metros de largura, um dos maiores já vistos por aqui. Em cena, um grande fóssil mecânico terá partes articuladas que vão se desprender ao longo do espetáculo, sendo 22 costelas com uma tonelada de peso em cada. Será uma criatura híbrida – entre cobra e dragão, dinossauro e leviatã, passado distante e futuro CyberPunk, que ganhará vida com movimentos, efeitos e luzes.

Dessa vez, a proposta vai de encontro e bebe da fonte ao que se convencionou chamar de “CyberPunk”, expressão criada nos anos 1970, que trata de um futuro obscuro em que a alta tecnologia praticamente ofusca os sentimentos mais essenciais do ser humano. Nesse contexto, a maioria da população, marginalizada, tenta reivindicar seus direitos perante uma sociedade cada vez menos humana e mais cega pela tecnologia, com menos coração e mais aparelhos celulares em foco.
Filmes como “Blade Runner”, “Minority Report” e a série “Altered Carbon” são exemplos dessa estética do CyberPunk.

“A ideia é usar esse fator, do afeto em queda e da tecnologia em alta, para justamente falar de amor nesse DVD”, explica Luan, que continua: “É fazer florescer o amor diante de um tema tão frio. Essa é a estética”, explica. Eis daí a marca que terá destaque no palco e que se propõe como registro do espetáculo: uma flor, tal qual a presente na poesia de Carlos Drumond de Andrade, ganhará forma no cenário, representando a força do amor e da natureza perante a dureza do concreto e ausência de sentimentos.
Na era atual, a imagem de “cada-um-com-sua-tela” só reforça a necessidade de se valorizar o sangue que corre em nossas veias, o calor humano perdido para tantas conexões virtuais e o amor presencial, muitas vezes diluído pelos “likes” das redes sociais.

Queremos provar que a tecnologia é bem-vinda. Ela tem se tornado munição no combate a vários males ao redor do mundo e fator essencial para a comunicação. Só não se pode abrir mão do abraço, do beijo, do afago latente que emana do calor de nossas mãos. “Viver os momentos e compartilhar. Não só ficar registrando o que se vê, sem conviver com quem está ali. Compartilhar o real para que a proximidade não seja fictícia”, avalia Luan.



Fonte: Postado em: 16-04-2019


25152770

Luan Santana revelou o nome de seu próximo DVD: “Viva” será gravado no dia 19 de maio no Parque de Exposições, em Salvador, e enaltecerá a forma como a tecnologia interfere nossas vidas. “Vivemos tempos difíceis e os momentos simples não valem de nada, se não publicar. O ego na hora se infla e um elogio idiota já é o combustível para se deslumbrar. Quantas curtidas merecem o primeiro passo de um filho? Almoço em família domingo, quando vamos dar valor pra isso? E olha que ironia: ficar sem amor tudo bem, se o celular tem bateria. Saudade virou coisa antiga nessa proximidade fictícia. Eu tô com saudade de um abraço que não se digita”, diz a letra desta música inédita que sintetiza a proposta que o cantor deseja atingir neste projeto.

“Com este DVD quero que a música contribua para esta proximidade real. E não a fictícia. Que todos possam viver os momentos, curtir. O que mais temos visto em variados ambientes são as pessoas com celulares nas mãos e não sabendo explorar o bem que a tecnologia nos traz. Vamos fazer uma analogia à época da navegação: eles usaram as suas ferramentas para conquistar o mundo e contribuir para a convivência de todos os povos. Queremos este alerta: naveguem, convivam e, depois, compartilhem para contagiar a todos”, afirma Luan.

Para este projeto, Luan e sua equipe, assim como a gravadora Som Livre e a Polar Filmes, estão há mais de seis meses no processo que propõe ao público resgatar o afeto perdido (equivocadamente) para a tecnologia. E é justamente a tecnologia que será enaltecida neste contexto. Sendo assim, a cenografia valoriza o gigantismo high-tech, com um palco de 100 metros de largura, um dos maiores já vistos por aqui. Em cena, um grande fóssil mecânico terá partes articuladas que vão se desprender ao longo do espetáculo, sendo 22 costelas com uma tonelada de peso em cada. Será uma criatura híbrida – entre cobra e dragão, dinossauro e leviatã, passado distante e futuro CyberPunk, que ganhará vida com movimentos, efeitos e luzes.

Dessa vez, a proposta vai de encontro e bebe da fonte ao que se convencionou chamar de “CyberPunk”, expressão criada nos anos 1970, que trata de um futuro obscuro em que a alta tecnologia praticamente ofusca os sentimentos mais essenciais do ser humano. Nesse contexto, a maioria da população, marginalizada, tenta reivindicar seus direitos perante uma sociedade cada vez menos humana e mais cega pela tecnologia, com menos coração e mais aparelhos celulares em foco.
Filmes como “Blade Runner”, “Minority Report” e a série “Altered Carbon” são exemplos dessa estética do CyberPunk.

“A ideia é usar esse fator, do afeto em queda e da tecnologia em alta, para justamente falar de amor nesse DVD”, explica Luan, que continua: “É fazer florescer o amor diante de um tema tão frio. Essa é a estética”, explica. Eis daí a marca que terá destaque no palco e que se propõe como registro do espetáculo: uma flor, tal qual a presente na poesia de Carlos Drumond de Andrade, ganhará forma no cenário, representando a força do amor e da natureza perante a dureza do concreto e ausência de sentimentos.
Na era atual, a imagem de “cada-um-com-sua-tela” só reforça a necessidade de se valorizar o sangue que corre em nossas veias, o calor humano perdido para tantas conexões virtuais e o amor presencial, muitas vezes diluído pelos “likes” das redes sociais.

Queremos provar que a tecnologia é bem-vinda. Ela tem se tornado munição no combate a vários males ao redor do mundo e fator essencial para a comunicação. Só não se pode abrir mão do abraço, do beijo, do afago latente que emana do calor de nossas mãos. “Viver os momentos e compartilhar. Não só ficar registrando o que se vê, sem conviver com quem está ali. Compartilhar o real para que a proximidade não seja fictícia”, avalia Luan.



Fonte: Postado em: 16-04-2019
MEGA POINT
Av. Afonso Pena 5154
Campo Grande MS
Whatsapp - 99143-9494

3042-9494
Mega94 (c)- Todos os direitos reservados.